FECHAR
PT / EN
LANCES FINAIS
Marta Supernova
Lote 134
1.
Marta Supernova
Lote 134
Dê seu lance CADASTRE-SE
Lances iniciais em 27/11
1., 2021

Acrílica, óleo e pasta para modelagem acrílica sobre tela – Edição única – Assinada

12 x 12 x 1,5 cm
R$ 1400,00
lance inicial
Confira os lances

Marta Supernova (Rio de Janeiro, 1994) vive e trabalha no Rio de Janeiro. É artista visual e sonora, DJ, produtora musical e ritmista. Seu trabalho é uma busca dentro de suas identidades numa junção de memórias, cogitações, arranjos espirituais e intuitivos, afetos-encontros e celebrações. Pensa a produção de uma arte anormal (não-normativa) que estimula a presença e a confluência de grupos cujas existências desencaixam espaços e linguagens. Percebe e vivencia comunidades negrodescendentes, afro ameríndias, ameafricanas, afrolatinas e LGBTQIAP+ e, a partir desse convívio e do entrelaçar dos grupos, busca entender como produzem conhecimento, cultura e como constroem vida em alternativa a paradigmas hegemônicos. Já expôs em espaços como Bienal do Mercosul (2020), Museu de Arte do Rio (2018), Despina (2018), Centro Municipal de Artes Hélio Oiticica (2019), Galeria Aymoré (2019) e no Museu da República (2020). Foi técnica de som direto do filme “O Processo” (2016) (Melhor Longa Metragem – Festival Visions du Reél e no Festival Indie Lisboa). Artista residente do Pivô Pesquisa 2021.

A obra faz parte da série “Escarificações – marcas de pele” que integra a “Ordem Secreta” (ordem da qual a artista faz parte). Ela conta: “Nessa série investigo registros múltiplos que se dão através de ferimentos em peles negras. Existem aspectos de marcação cultural, temporal, cerimonial, celebrativa, marcas de guerras, de violências, de dominação, que marcam acidentes, criações, doenças, adicções, artes, admirações e paixões. Marcas fugidías, marcas rígidas, ancestrais e cogitativas, repentinas, ritmadas, composições de corpos sobre corpos negros e anormais, sobre a massa negra e desforme que durante o processo de pintura ganha suas maneiras com a intenção de meu cosmo e canalizado por meu corpo e a intenção de toda a força do acaso, do clima, do tempo, do mistério e da evocação de todas as histórias que são entrelaçadas com a composição e reunião dessas escarificações. A diáspora é a origem.”