FECHAR
PT / EN
LANCES FINAIS
Fernando Marques Penteado
Lote 105
"Malaise" neo-concretista 13
Fernando Marques Penteado
Lote 105
Dê seu lance CADASTRE-SE
Lances iniciais em 27/11
"Malaise" neo-concretista 13, 2013

Viscose bordado à mão sobre feltro industrial – Edição única – Com moldura

66 x 66 cm
R$ 18900,00
lance inicial
Confira os lances

Fernando Marques (São Paulo, 1955) vive e trabalha em Bruxelas. A prática do artista se apoia em um método bem definido que envolve longos processos e técnicas específicas operadas com obstinação. O artista tem desenvolvido uma obra marcada especialmente pela prática do bordado, que acaba por se relacionar com roupas, livros e objetos encontrados; e por uma escolha estética que combina autobiografia e questões históricas no enlace de inventivas criações literárias. Exposições individuais recentes: Meet me at the finger buffet, Mendes Wood DM (Bruxelas 2020); rivieras___bags___scarves___alps, Mendes Wood DM (São Paulo, 2018); Guess Who’s Coming to Dinner?, Freedman Fitzpatrick (Los Angeles, 2017); Unknown Subjects Among Solitaires, Galeria Múrias Centeno (Lisboa, 2016); Sentido Figurado, A CASA – Museu do Objeto Brasileiro (São Paulo, 2014). Suas obras também foram incluídas em mostras coletivas institucionais como Pavilhão  Branco (Lisboa, 2021); Five in Fives #1, Kunstverein Harburger Bahnhof, (Hamburg, 2019); SCHMALTZ (Viena, 2018); Dislexia, El Gran Vidrio (Córdoba, 2018); Namedropping, JAN KAPS, (Colônia, 2017); Lyric on Battlefield, Gladstone Gallery (Nova York, 2017); Odd Objects: an on proto-sculpture, Centro Internacional das Artes  José de Guimarães (Guimarães, 2016); Unorthodox, Jewish Museum (Nova York, 2015); 30ª Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo (2012).

O trabalho “Malaise” neo-concretista 13, de 2013, é um bordado à mão sobre feltro industrial. A partir de uma profunda pesquisa sobre a contribuição da indústria têxtil para a cultura visual e a difusão de conhecimento, elabora narrativas permeadas por um vocabulário próprio, cuja densidade é articulada sempre por um ânimo traquina, que a todo tempo brinca com o sentido das coisas.