FECHAR
PT / EN
LANCES FINAIS
Paulo Nimer Pjota
Lote 095
Smile com cereja
Paulo Nimer Pjota
Lote 095
Dê seu lance CADASTRE-SE
Lances iniciais em 27/11
Smile com cereja, 2019

Acrilica sobre linho – Edição única – Assinada

104 x 87 cm
R$ 42000,00
lance inicial
Confira os lances

Paulo Nimer Pjota (São José do Rio Preto, 1988) vive e trabalha em São Paulo. Seu trabalho se desenvolve a partir da natureza de fenômenos originados coletivamente. Sua pesquisa e prática se concentram num estudo profundo sobre um tipo de iconografia popular que só pode se desenvolver por meio de processos complexos operados por incontáveis mãos. O artista usa como suporte, em regra, grandes telas, sacos e chapas de metal. A maior parte desses materiais são encontrados em depósitos de dejetos para então passarem por processos de negociação e deslocamento. Seu interesse é, sobretudo, pelos mecanismos e processos que produzem, editam e difundem manifestações humanas numa época de internet e ultra comunicação. Por meio de ritmo, rima e repetição vêm à tona imagens que indexam as percepções comuns de um planeta globalizado e que, consequentemente, expõe suas profundas desigualdades. Exposições individuais recentes incluem: Every empire breaks like a vase, The Power Station (Dallas, em breve) e Fragmented images, fragmented stories, DEO projects (Chios, Grécia, 2021); Cenas de Casa, Caixa de Pandora, Ivani e Jorge Yunes Collection (São Paulo, 2019; Medley, Mendes Wood DM (São Paulo, 2018). Suas exposições coletivas recentes incluem: 1981/2021: arte contemporânea brasileira, CCBB (Rio de Janeiro, 2021) e Imagens que não se comportam, MAR – Museu de Arte do Rio (Rio de Janeiro, 2021); Yellow Opening, Retranchement (The Netherlands, 2020) e What fruits it bears, Peres Projects (Berlin, 2020).

Smile com cereja, de 2019, é uma acrílica sobre linho pertencente à série Smile com cigarro. A pintura fez parte da exposição Cenas de Casa, Caixa de Pandora, na Coleção Ivani e Jorge Yunes, em São Paulo. O artista selecionou um conjunto de vasos da coleção como elementos centrais da obra. Segundo o artista: “ O que liga todas essas peças, apesar das diferenças entre elas, é sua capacidade de serem confundidas com objetos ordinários, como os que enchem os containers que chegam diariamente em todas as partes do mundo e inundam os mercados populares com seus selos made in China. Cada um dos vasos escolhidos mantém sua importância de objeto pela capacidade de sintetizar poder e valor, estes são desafiados por um gesto artístico que nega sua autoridade”.