FECHAR
PT / EN
LANCES FINAIS
Ana Prata
Lote 068
Sem título
Ana Prata
Lote 068
Dê seu lance CADASTRE-SE
Lances iniciais em 27/11
Sem título, 2018

Óleo sobre papel – Edição única – Obra assinada – Obra com moldura

42 x 29 cm
R$ 5600,00
lance inicial
Confira os lances

Ana Prata (Sete Lagoas, 1980) vive e trabalha em São Paulo. É graduada em Artes Plásticas pela Universidade de São Paulo. Participou da 33ª Bienal de São Paulo – Afinidades Afetivas, São Paulo, SP (2018), e realizou exposições individuais na Tobias Mueller Modern Art, Zurique, Suiça (2020); Galería Travesía Cuatro, Guadalajara, México e Madrid, Espanha (2020); Galeria Isla Flotante, Buenos Aires, Argentina e auroras, São Paulo, SP (2019); Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo, SP (2018); Galeria Millan, São Paulo, SP (2014, 2017, 2021); Pippy Houldsworth Gallery, Londres, Reino Unido (2016); La Maudite, Paris, França; Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, SP (2012); e Centro Cultural São Paulo, SP (2009), entre outras. Exposições coletivas incluem Desenho Sujo, Espaço das Artes – USP, São Paulo, A Burrice dos homens, Galeria Bergamin & Gomide, São Paulo, Brasil (2019); Colapso, Galeria Athena, Rio de Janeiro, Brasil, 10/40, Kubik Gallery, Porto, Portugal (2019); Quimera, Galeria do Lago – Museu da República, Rio de Janeiro, RJ, Ana Prata & Hamish Pearch, Kupfer Gallery, Londres, Reino Unido, (2018) Troposphere, curadoria Sarina Tang, Beijing Minsheng Art Museum, Beijing, China, Os Desígnios da Arte Contemporânea no Brasil, Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, SP; A Luz que Vela o Corpo É a Mesma que Revela a Tela, Caixa Cultural, Rio de Janeiro, RJ (2017); O Espírito de Cada Época, Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, SP (2015); Festival Internacional de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil, São Paulo, SP (2011 e 2013); Os Primeiros Dez Anos, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, SP (2011); e Lugar Nenhum, Instituto Moreira Salles, Rio de Janeiro, RJ (2013).

O óleo sobre papel sem título, de 2018, pertence à série Hilda Hilst, com ilustrações de Prata para a coletânea de poemas da autora De amor tenho vivido (Companhia das Letras, 2018). Na obra, texto e imagem conjugam em uma meditação sobre a natureza do amor em sua multiplicidade de formas.