FECHAR
PT / EN
LANCES FINAIS
arquivo mangue (camila mota)
Lote 057
“Há uma ética mineral” makumba gráphyka azul y branca
arquivo mangue (camila mota)
Lote 057
Dê seu lance CADASTRE-SE
Lances iniciais em 27/11
“Há uma ética mineral” makumba gráphyka azul y branca, 2021

Morim, xilogravura sobre papel de seda, osso, minério de ferro e xisto metamórfico – Edição única – Obra assinada

54 x 94,5 cm
R$ 4900,00
lance inicial
Confira os lances

camila mota (Belo Horizonte, 1974) vive e trabalha em São Paulo. É atriz, dramaturga, diretora, produtora, compositora e artista visual. Seu trabalho está na encruzilhada entre performance, desenhos, vídeo e instalações. Entrou na Companhia Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona em 1997, onde atua na criação e concepção de todos os projetos da companhia. Foi co-diretora de Os Sertões, projeto de transposição do livro de Euclides da Cunha para a dramaturgia e linguagem audiovisual. Faz parte do time de coordenadores da Universidade Antropófaga – prática de troca e transmissão de conhecimentos do Teat(r)o Oficina. Em 2019, dirigiu Mutação de Apoteose, espetáculo de abertura da FLIP, uma devoração de Os Sertões para o aqui-agora. Atua também como diretora e conselheira do vídeo e do cinema ao vivo no Teat(r)o Oficina. É diretora da produtora Cabra Filmes e artista e performer no arquivo mangue, organismo vivo de trabalho e produção no cruzamento das linguagens do teatro, do vídeo, da poesia e das artes visuais, em parceria com cafira zoé.

“há uma ética mineral” makumba gráphyka azul y branca e faz parte da série para os rios que correm subterrâneos no avesso do céu. A série é uma obra viva em parceria com a artista cafira zoé. Nas palavras das artistas “ é um gesto y um feitiço traçado por duas obras que riscam juntas um ponto de des-massacre para as águas que correm dentro y fora de nós em contracena com os rios tamponados de São Paulo”.