FECHAR
PT / EN
LANCES FINAIS
Débora Bolsoni
Lote 034
Fuso motor
Débora Bolsoni
Lote 034
Dê seu lance CADASTRE-SE
Lances iniciais em 27/11
Fuso motor, 2021

Tinta acrílica, esmalte, guache e lápis de cor sobre aço galvanizado, ímã e madeira – Edição única – Assinada

43 x 100 x 5 cm
R$ 10500,00
lance inicial
Confira os lances

Débora Bolsoni (Rio de Janeiro, 1975) vive e trabalha em São Paulo.  Mestre em Poéticas Visuais pela Escola de Comunicações e Artes – USP (2014). Desde 2017 é docente no curso de pós-graduação em práticas artísticas contemporâneas da Fundação Armando Álvares Penteado. O início de sua carreira foi marcado por sua inclusão no primeiro mapeamento da produção emergente do Itaú Cultural em 1998. Bolsoni participou do 30°  Panorama da Arte Brasileira “Contraditório” em 2007 e da Bienal do Mercosul “Grito e escuta” em 2009. Atualmente coordena juntamente a outros artistas a Galeria ReOcupa em parceria com o MSTC/SP na Ocupação 9 de Julho no centro de São Paulo. Suas exposições individuais recentes incluem: Coffee and Alphabets, Bendana-Pinel (Paris, 2018); O inferno de boazinha, Galeria Superfície  (São Paulo, 2018); No name, but names, Drawing Lab (Paris, 2017). Exposições coletivas incluem: Tudo que não é floresta é prisão política, ReOcupa (São Paulo, 2019); El revés de la trama, 45 Salón Nacional de Artistas, plataforma digital Aarea (Bogotá, 2019. Seus trabalhos fazem parte do acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo, Museu de Arte Moderna de São Paulo, Instituto Figueiredo Ferraz, Fundação Marcos Amaro, Museu de Arte da Pampulha, entre outras.

O trabalho Fuso motor, de 2021, faz parte da série Fuso motriz, conjunto de obras cujos desenhos remontam a gráficos de dados, radares e outros instrumentos de medição. A obra feita em tinta acrílica, esmalte, guache e lápis de cor sobre aço galvanizado, ímã e madeira é uma alegoria ao nosso impulso analítico. A produção da artista se aproxima formalmente a um abstracionismo geométrico histórico, especialmente ao construtivismo russo e às alusões de Marcel Duchamp e Francis Picabia, idealizadas também como resposta a um mundo que colapsava. Fuso motor representa um reflexo do tempo em que corpos tiveram que encontrar novos modos de viver o espaço.